A presença de plantas daninhas ou invasoras na pastagem vem causando diversos prejuízos aos produtores, como diminuição da produção de capim ou danos causados por espinhos, tocos ou elementos presentes nestas plantas que são tóxicos aos animais e ao homem, tornando-se indispensável o controle das mesmas.

Controle preventivo

O controle preventivo é feito para impedir que as sementes ou materiais de propagação de plantas daninhas cheguem ao pasto ou as que estão na área não se desenvolvam, sendo importante a escolha de uma semente pura e de boa qualidade, lavagem de carros, equipamentos e ferramentas utilizadas nos pastos evitando levar o material propagativo destas plantas daninhas.
Outra dica para evitar a infestação do pasto com ervas daninha é manter o pasto sempre com a altura indicada, evitando que a radiação solar atinja o solo descoberto permitindo que as sementes e plantas daninhas absorvam essa radiação para seu desenvolvimento. A altura mínima indicada para os capins do gênero Brachiaira entre 15-25 cm e Panicum (Mombaça, Tanzânia, Zuri, ect.) entre 35-50 cm.

Uso de herbicidas correto

O uso de herbicidas também é uma alternativa muito utilizada pelos produtores atualmente, é uma técnica de controle muito prática e de fácil acesso, porém deve ser usado com cautela devido aos riscos ao homem e meio ambiente, é indispensável o acompanhamento do agrônomo neste tipo de controle para melhores resultados e minimização de danos.

Controle mecânico

O controle mecânico manual (capina, roçada) vem caindo em desuso atualmente devido à falta de mão de obra, porém é comum o uso de máquinas e implementos para eliminar as plantas daninhas, o problema deste método é que nem sempre é eficaz devido à grande índice de rebrotas o que torna o método um controle basicamente paliativo em alguns casos.

Correção do solo

É importante também a correção do solo, com calagem e adubação na pastagem para aumentar a sua massa foliar consequentemente causando maior sombreamento no solo o que dificulta o crescimento de plantas invasoras, além de, aumentar a produção de capim, consequentemente a taxa de lotação.

Conclusão

A produção de capim nos dias atuais é a forma de alimentação de mais baixo custo para o rebanho, requerendo assim uma atenção maior, sendo que deste modo indiretamente da pastagem sai o lucro de grande parte dos pecuaristas brasileiros, com maior eficiência no pasto com certeza é sinal de rebanhos maiores e gado mais nutrido.

Carlos Rodrigues da Silva Filho
Eng. Agrônomo