A AgRural concluiu na última sexta-feira (17), sua revisão mensal de estimativas para colheita de milho da segunda safra 2018.  A colheita veio atingir 83% da área no Centro-Sul do Brasil até quinta-feira, dia 16, informou a consultoria AgRural, em relatório semanal. O número representa avanço de nove pontos percentuais em uma semana e supera os 82% da média de cinco anos. Ainda há atraso, porém, na comparação com os 89% de igual período do ano passado.

Em Mato Grosso do Sul, a colheita alcançou 61% da área de milho “safrinha”. “Apesar do avanço de 15 pontos em uma semana, ainda há atraso em relação aos 78% do ano passado”, disse a AgRural. Em Goiás, a colheita atingiu 83% da área, com avanço semanal de 14 pontos percentuais. Há um ano, 90% da safra estava colhida.

O último levantamento da Conab apontou para uma colheita no Tocantins de mais de 4,4 milhões de toneladas de grãos em 1,4 milhão de hectares. A soja representa 63,4% da produção do estado, seguida do milho (19,6%) e do arroz (14,4%).

Mercado

O mercado segue firme com preços em alta, devido a demanda do produto. A saca de 60 quilos do milho foi cotada em média CEPEA, na sexta-feira, 17 , a R$ 41,30. Em Itumbiara e Rio Verde, municípios goianos, os preços estão cotados em R$ 29,00 e R$ 29,50, para compra e venda, respectivamente. Os preços médios são acompanhados pela Scot Consultoria.

No Tocantins, houve uma quebra de safra devido a seca, o que fez com que o preço disparesse, a saca de 60 quilos do milho transita em média entre R$ 39,00 a R$41,00.

 

Fontes: AgRural, Conab, Cepea, Scot Consultoria