Cenario Rural

Milho contraria mercado físico e cai na B3

221647

De acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica, os preços do milho recuaram na B3, na contramão da alta vista no mercado físico. “Entretanto, os mercados físicos do interior do país valorizaram o milho no dia de hoje. Mas, o mercado futuro de São Paulo não acompanhou estes movimentos e fechou em queda nesta segunda-feira”, comenta.

“Segundo apontam muitos traders, a principal razão que levou a isto foi a baixa do dólar, o que impede que  o  milho  brasileiro  se  valorize. Portanto,  a  importação  chegaria  ao interior de Santa Catarina a preços competitivos e em abundância,  resolvendo  o  problema  da  escassez  de milho no estado. Assim, as principais cotações fecharam o dia conforme se segue: julho a R$ 95,49 (+0,24%); setembro a R$ 96,13 (-1,30%); novembro a R$ 97,09 (-1,33), janeiro a R$ 97,91 (-1,30%) e março a R$ 98,20 (-0,55%)”, completa a consultoria.

 

Em Chicago os futuros sobem apesar do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), pela as exportações dos EUA e demanda da Coreia do Sul. “Embora o  USDA  tenha  aumentado as estimativas de produção, as  projeções para as  exportações e o  consumo interno  também  foram  aumentadas,  o  que  deu  sustentação  aos  preços.  Além  disso,  os  operadores  estavam inseguros sobre a evolução do clima, com a possibilidade de altas temperaturas”, indica.

 

“A Coreia do Sul deu o pontapé inicial no dia de hoje, com uma grande explosão de interesse de compra. Três dos grandes players do país fazendo ofertas para até cinco posições  e  entre  eles,  rumores  também  surgindo  de compra privada no final da semana passada”, conclui.

 

Fonte: Agrolink

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *